«

»

jun 08

A perda diária da biodiversidade

Compartilhe...Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someoneShare on TumblrShare on LinkedIn

Fonte: google.imagens

O sistema de transporte brasileiro consiste principalmente em uma matriz rodoviária, onde ocorre mais de 60% do escoamento dos produtos devido,
principalmente, à falta de investimentos e limitação do país nos sistemas fluviais, aéreos e ferroviários.

O uso de rodovias aumenta constantemente as taxas de atropelamentos de animais silvestres. De acordo com o Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas (CBEE), da Universidade Federal de Lavras em Minas Gerais, a cada um segundo, 15 animais são atropelados no Brasil, dado que pode ser ainda mais assombroso, já que segundo pesquisas, até 475 milhões de animais silvestres morrem em nossas rodovias por ano. Esses números ainda são subestimados, pois existe pouca fiscalização, além de fatores como a taxa de remoção, a qual pode ser feita por exemplo pela chuva ou vento, o que dificulta estimar com precisão os reais dados.

A grande maioria dos animais silvestres atropelados, são pequenos vertebrados, sendo aproximadamente 90% dos casos, como por exemplo: sapos, cobras e pequenas aves. Segundo o CBEE, o restante está dividido entre animais de médio porte, cerca de 9%, como por exemplo: macacos, tamanduás mirins e veados. E 1% em animais de grande porte, como por exemplo: onças pintadas, lobo-guarás e capivaras. Onde muitas dessas espécies estão nas listas vermelhas de risco de extinção, prejudicando assim a biodiversidade brasileira.

O problema é que as estradas afetam de várias formas os ecossistemas, seja fisicamente por causa da erosão, aeração, sedimentação e a hidrologia local, quanto quimicamente, por causa da poluição e contaminação de metais pesados, poeira, ozônio, que poluem o ar, água e solo do local. Mas o problema maior gira em torno dos fatores biológicos. Isso se dá principalmente pelo efeito de borda, fragmentação do ambiente, introdução de espécies exóticas, diminuição de fluxo gênico entre as espécies e alterações nos comportamentos dos animais, muito relacionada com o estresse causado pela poluição sonora dos veículos.

Porém, existem espécies mais susceptíveis ao atropelamento, como os répteis, os quais usam o asfalto como fonte de calor para seu metabolismo; animais com hábitos noturnos, arbóreos, lentos, de visão pobre; e os que “congelam” por causa da luminosidade dos faróis dos veículos. Por outro lado, alguns atropelamentos acontecem de forma intencional, principalmente em serpentes, por causa da “cultura” do brasileiro em achar que esses animais são perigosos. Mas esses acidentes sendo intencionais ou não, causam perdas econômicas e também podem provocar mortes humanas.

Mas o que podemos fazer para diminuir os índices de atropelamentos de animais silvestres em rodovias brasileiras?! A solução pode ser encontrada através dos princípios da ecologia de estradas,um ramo da ecologia aplicada que procura encontrar e implantar soluções para esse problema. Algumas maneiras de amenizar esses acontecimentos se baseiam na educação ambiental e aumento de placas de sinalização que podem ser educativas e radares nas
estradas, servindo como alerta para diminuir a velocidade. Ou também na implantação de passagem de fauna, colocando telas para direcionar os animais, método já adotado em muitos países da Europa, porém acaba selecionando apenas alguns grupos de animais, o que pode ser um problema. E, por fim, o monitoramento das taxas de atropelamentos, o que permite determinar os hot-spots de perda da fauna e, assim, criar medidas mitigatórias de preservação da nossa biodiversidade.

Sendo assim, o CBEE propôs o “Sistema Urubu”, hoje dada como a maior rede social de conservação da biodiversidade brasileira. O Sistema reuni, sistematiza e disponibiliza informações sobre a mortalidade de fauna selvagem nas rodovias e ferrovias e tem por objetivo auxiliar o governo e as concessionárias na tomada de decisões para redução destes impactos. O aplicativo é muito fácil de ser utilizado e pode ser baixado gratuitamente através do link abaixo. Desse modo, todos podemos ajudar pesquisadores e autoridades a encontrar soluções para diminuir esses índices preocupantes. Conservar a
biodiversidade, tarefa de todos!

Link à respeito do aplicativo: Http://cbee.ufla.br/portal/sistema_urubu/urubu_mobile.php

Beatriz Cranchi Pazetto, graduanda do curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Viçosa, Campus Rio Paranaíba.

Deixe uma resposta