«

»

jul 16

O que é uma espécie?

Compartilhe...Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someoneShare on TumblrShare on LinkedIn

O que caracteriza e como podemos definir “espécie”? Qual a primeira observação que fazemos para classificar um indivíduo como pertencente a uma e não a outra? O conceito de espécie é muito discutido pela comunidade científica, e existem diferentes tipos. O biológico diz que podem ser considerados da mesma espécie, indivíduos capazes de intercruzar e produzir descentes férteis. Entretanto, o que amplamente utilizamos para distinguir uma espécie de outra é a morfologia externa ou mesmo interna que os indivíduos apresentam.

Os problemas da classificação morfológica aparecem a partir do momento em que não são encontradas diferenças evidentes entre indivíduos. Exemplo disso são as espécies crípticas encontradas em muitos grupos. Mesmo semelhantes, são diferentes e provavelmente apresentam diferenças em aspectos não tão facilmente observáveis, tais como fatores ecológicos de seu nicho (requisitos alimentares ou padrões de comportamento reprodutivo) e genéticos (diferenças cariotípicas). Com isso, o que antes era classificado como populações de uma espécie, pode representar, na verdade, um conjunto de espécies que respondem de formas diferentes às pressões seletivas naturais ou às impostas pelo homem em processos de fragmentação e degradação de hábitat.

Um exemplo de organismos que apresentam espécies de difícil distinção morfológica são os parasitoides da família Trichogrammattidae. Parasitoides são uma classe de organismos que parasitam outros insetos, principalmente depositando seus ovos no corpo de seus hospedeiros. Essa é uma relação extremamente espécie-específica muito utilizada no controle biológico de pragas na agricultura. Mas para que esse controle seja eficaz, é essencial a identificação correta do tipo de parasitoide.

Essas incertezas taxonômicas são encontradas em organismos dos mais distintos e podem afetar também a saúde humana. Um estudo recente com a espécie de fungo Paracoccidiodes brasiliensis, mostrou que o que era considerado uma única espécie que, na fase de levedura, causa micose sistêmica, na verdade se trata de um complexo de quatro espécies diferentes. Os pesquisadores acreditavam que era possível que isso estivesse interferindo em diversos aspectos da doença, inclusive no diagnostico positivo através de soro. Em um dos testes realizados, foi verificado que em uma das espécies, o gene que produz o antígeno (molécula que induz a produção de anticorpos), acumulava maior numero de mutações não sinônimas, que são aquelas que interferem no aminoácido codificado pelos nucleotídeos. Isso significa maior variabilidade na molécula produzida por uma das espécies do fungo, gerando respostas variáveis nos pacientes infectados pela mesma.

Que a biodiversidade no planeta Terra é imensa é um fato conhecido por todos. Uma surpresa é imaginar que essa mesma pode ser ainda maior do que estimamos, e que espécies que ainda nem conhecemos são extintas todos os dias. Dessa forma, identificar se o que é considerado uma única espécie trata-se de mais de uma unidade taxonômica e evolutiva, é essencial para planejar formas de manejo eficazes que atendam as necessidades de cada uma delas e, assim, aumentar a contribuição pra a conservação da diversidade e do meio ambiente.

Snaydia Resende é bióloga, mestranda em Manejo e Conservação de Ecossistemas Naturais e Agrários na UFV campus Florestal.

Deixe uma resposta