Desenvolvimento de soro antiveneno para abelhas africanas

Abelhas podem ser encontradas tanto em regiões de mata como em áreas urbanas. É muito comum esses indivíduos atacarem seres humanos a fi m de protegerem seu território. No último levantamento do ministério da Saúde foram registrados no país cerca de 10 mil casos de picadas de abelhas em 2013, provocando a morte de 40 pessoas.

Ao atacar, as abelhas exalam alguns feromônios que atraem todo um enxame. Quando uma pessoa leva mais de 100 ferroadas, podem ocorrer lesões nos rins, fígado e coração, debilitando esses órgãos. A maioria das mortes acontece devido à falência dos rins.

É por isso que o Instituto Butantan e os cientistas da UNESP, estão desenvolvendo um soro antiveneno para tratar as pessoas atingidas pelas picadas da Apis mellifera melífera, espécie conhecida como abelha africana que, pertencente ao gênero Apis, é muito comum no Brasil.

O soro está sendo sintetizado a partir do próprio veneno das abelhas, que é inoculado em cavalos cujo sistema imunológico reage produzindo anticorpos, esses anticorpos compõem então o soro e combatem o envenenamento tóxico causado pelas picadas que, em casos extremos, pode matar rapidamente.

Abelhas: Manejo, importâncias econômicas e ecológicas

Na natureza, todos os seres vivos possuem seu papel e importância para o ecossistema. Isso não é diferente quando se trata das abelhas. Esses organismos pertencem a ordem Hymenoptera, a qual inclui formigas, vespas e abelhas, extremamente abundantes em diversos ambientes.

Estes insetos são caracterizados por formarem colônias e apresentarem complexas estruturas sociais, nas quais as abelhas são divididas em castas. A dieta no estágio larval, o tamanho das células e o óvulo não fecundado são fatores determinantes da casta que a abelha irá pertencer: operária, zangão ou rainha.

Os zangões são abelhas-macho que nascem de ovos não fecundados a partir da partenogênese, enquanto as operárias são fêmeas oriundas de ovos fecundados, elas são responsáveis pela manutenção da colônia. As rainhas por sua vez, produzem novos indivíduos e, normalmente são as maiores da colônia, por conta do sistema reprodutor mais desenvolvido. Geralmente, há apenas uma rainha por colmeia, onde produz cerca de dois mil ovos por dia.

Os principais órgãos sensitivos das abelhas são as sensilas (projeções de neurônios presentes nas antenas), peças bucais e pernas. Tais órgãos permitem que ocorra comunicação entre as parceiras de ninho, localização de alimentos e identificação de intrusos na colmeia.

Ecologicamente as abelhas são fundamentais na manutenção de diversas espécies, uma vez que são essenciais para a reprodução sexuada das plantas. Elas se destacam pela função de polinizadoras, sendo consideradas os insetos mais importantes a executar esse papel no ecossistema.

As abelhas também são importantes economicamente devido à produção de diversos artigos que são comercializados: geleia real, geleia comum, cera, própolis, pólen apícula e apitoxina (veneno de abelha). A polinização em si é extremamente importante economicamente e ecologicamente, fato visualizado quando há apicultura em conjunto com agricultura e/ou pomares, onde durante o ato de se alimentar, as abelhas acabam trocando pólens entre as plantas e assim as plantas são fecundadas e produzem frutas e sementes.

Não é aconselhável a coleta das abelhas indiscriminadamente, pois pode resultar na extinção de espécies. Também é importante que não ocorra cultivo de espécies raras ou em risco de extinção. É necessário que o apicultor tenha pelo menos 40 caixas de abelhas ou que faça o cultivo próximo de áreas que tenham colônias naturais, pois as abelhas são altamente sensíveis à endogamia. Apesar de todas essas necessidades, segundo o IBAMA, o cultivo de qualquer espécie de abelha da família Apidae é permitido em todas as regiões do país, exceto para aquelas espécies que estejam na lista vermelha de espécies ameaçadas de extinção.

Caio Campos, Maiara Leite, Marcela Monteiro e Pablo Silva.