Etnobotânica: o resgate do conhecimento popular sobre as plantas?

Com o avanço da ciência e da tecnologia e um mundo cada vez mais globalizado, as relações e o convívio entre os jovens e os mais velhos têm se estreitado. Além disso, todo conhecimento considerado popular e que não tenha caráter científico, muitas das vezes é tido como antiquado e depreciativo. Desta forma, se faz necessário o resgate do conhecimento popular que vêm se perdendo devido a esses fatores.

Uma das grandes áreas de conhecimento em que o ser humano atua, diz respeito ao uso das plantas, seja para fins medicinais, artesanais, plantas como tecnologia, dentre outros. Os vegetais são explorados pelo homem desde que este se estabeleceu na terra, sendo que o conhecimento sobre as plantas, veio da necessidade que o homem tinha de entender sua relação com os vegetais e como estes poderiam beneficiá­-lo de alguma forma atendendo necessidades básicas como alimentação, proteção, tratamen­to para doenças, etc. São diversos os usos aos quais se destinam as plantas em nossa sociedade. Essas utilidades variam de acordo com a cultura de cada povo. Tais conhecimentos contribuem muito para o avanço da ciência, principalmente em se tratando das plantas medicinais, algumas das quais têm efeito medicinal comprovado cientificamente. Quem nunca tomou um “cházinho” calmante ou para amenizar a dor de cabeça? Nesse sentido e, entendendo a importância de não permitir que o conhecimento popular se perca, é que surgiu a etnobotânica como ciência, no final do século XIX. O objetivo principal dessa ciência é estudar a relação entre o ser humano e as plantas. No início o foco era estudar as populações indígenas, no entanto, com o passar dos anos, a investigação se expandiu para as sociedades mais tradicionais.

Nas investigações etnobotânicas, o pesquisador, se envolve no contexto das pessoas pesquisadas, que são conhecidas como informantes, observando sua realidade e abstraindo toda informação possível sobre a relação do pesquisado com as plantas e como essas são importantes em seu dia­-a-­dia.

A pesquisa etnobotânica não serve apenas para resgatar os conhecimentos tradicionais sobre o uso das plantas, mas também traz ao homem o conhecimento sobre a diversidade cultural existente nos diferentes contextos sociais e é uma importante fonte de dados para conscientização e preservação ambiental. Para isso, um dos compromissos dessa ciência é compartilhar o conhecimento com quem o gerou, devolvendo aquele saber a comunidade investigada, com o objetivo de que isso contribua para a melhoria da qualidade de vida das populações estudadas.

Um bom observador do mundo natural, percebe o quão diversas são as plantas. Elas variam em formas, cores e tamanhos. Toda essa diversidade compreende uma riqueza inestimável de fonte de renda e sustento para a espécie humana. Muito do que consumimos, seja na alimentação, na medicina ou em outras áreas provém desse recurso natural que são os vegetais. Assim, conhecendo mais sobre a importância
dessa fonte de recursos e sobre como são utilizados pelo homem, é possível não apenas evitar que todo esse conhecimento tradicional se perca, mas também criar mecanismos para conservação das plantas.

Mardem Michael Ferreira da Silva – Graduando em Ciências Biológicas, Bolsista do Programa PET Educação – Universidade Federal de Viçosa – Campus UFV Florestal.