Quando a Terra quase virou uma “bola de neve”

Sabemos hoje, que algumas dificuldades assolaram nossos ancestrais humanos: há mais ou menos 20 mil anos atrás (o que, no tempo geológico, não é muito) os humanos conviviam cotidianamente com muitas ameaças. Podemos citar os tigres-dente-de-sabre, mamutes e outros grandes animais da megafauna do Pleistoceno. Uma das maiores preocupações era, sem dúvidas, o clima severo daquele período, também conhecido como a Era do Gelo. Esse clima sem dúvidas foi uma grande barreira para a vida da época, aliás, nos últimos milhões de anos, houve uma era do gelo após a outra, algumas destas atingiram todo o hemisfério norte (América do Norte e Europa).

Por mais drástico que este clima pareça, alguns microorganismos passaram por climas ainda piores, como um congelamento total do planeta. Temos registros de dois congelamentos totais da Terra, sendo um deles há cerca de 2,4 bilhões de anos e o outro há cerca de 600 milhões de anos atrás, que de fato refletiu sobre a biodiversidade no planeta.

Antes do surgimento da vida animal e dos organismos maiores que já ouvimos falar, houve um período conhecido como Neoproterozóico em que o clima frio foi tão intenso que mesmo os trópicos congelaram. Imagine: toda a Terra congelada (lembre-se que nas eras do gelo mais recentes, apenas o hemisfério norte congelou), pairando pelo espaço por um período de, no mínimo, 10 milhões de anos!

Apesar desse frio intenso e duradouro, é importante ressaltar que o calor do magma proveniente do núcleo da Terra impediu o congelamento da terra até o fundo dos oceanos, ou seja, apenas a superfície congelou. A espessura estimada do gelo era de 1Km e uma temperatura de cerca de -50ºC.

Em meio à esse pesadelo congelante, ainda haviam vulcões liberando magma do centro da Terra, aos poucos isso aumentaria o calor do planeta por causa da liberação de uma molécula: o dióxido de carbono. Como sabemos, o CO2 emitido atualmente por nós através da queima de combustíveis fósseis, é o maior responsável pelo efeito estufa atual, que agrava o aquecimento global, e naquele tempo, não foi diferente. O CO2 dos vulcões foi então responsável por reaquecer o planeta.

Por mais que o derretimento do gelo tenha sido “rápido”, levando apenas algumas centenas de anos, o grande acúmulo de CO2 na atmosfera levou à um efeito estufa brutal que assolou o planeta. Todos esses aqueles organismos microscópicos que foram capazes de suportar o frio intenso, agora também precisariam suportar um enorme efeito estufa.

Segundo vários estudos científicos, essas mudanças muito drásticas na temperatura da Terra, ocorreram quatro vezes entre 750 milhões e 580 milhões de anos atrás. É fato que o clima na Terra nunca foi tão severo quanto nesses eventos de “Terra bola de neve”. Mudanças severas deste tipo já são conhecidas em outros planetas, como Vênus, não sendo uma exclusividade nossa.

Ainda existem muitas questões a serem respondidas pela ciência e o processo de aceite de todos esses estudos é lento mesmo dentro da comunidade científica. Geólogos, biólogos, paleontólogos e climatólogos continuam à realizar diversos estudos para dar mais embasamento às teorias da “Terra Bola-de-neve” e entender sua influência para a diversificação e evolução da vida na Terra.

Gabriella Katlheen Leles é aluna de Biologia na Universidade Federal de Viçosa.

Fonte: Hoff man PF & Schrag DP (2000) Snowball Earth. Scientifi c American, 282(1), 68–75. doi:10.1038/ scientifi camerican0100-68.

Deixe uma resposta