Vermelho é a cor do raro

Correspondendo a menos de 2% da população mundial, os ruivos marcam sua presença no mundo e os cabelos avermelhados (rutilismo) causam uma abundância de mitos e medos desde tempos remotos.

A mitologia grega que diz que quando um ruivo morre, transforma-se em vampiro. Já a cultura antiga alemã considerava os ruivos bruxos. Os egípcios consideravam que a cor vermelha trazia azar e por isso queimavam mulheres ruivas em rituais que tinham como objetivo extinguir os cabelos avermelhados. No século XVI se acreditava que a gordura corporal de um ruivo era essencial para a elaboração de poções, e mesmo na iconografia da Igreja Católica Romana geralmente Eva é representada como uma mulher ruiva, simbolizando o pecado, e seu filho Caim, também ruivo, por ter matado seu irmão.

Mas verdade seja dita, nenhuma destas “lendas” são verdadeiras, sendo fruto da curiosidade a respeito de uma bela variação da natureza humana. Em pequenas cidades formadas por poucas famílias, o gene que causa o tom avermelhado nos cabelos pode ser numericamente dominante.

A origem do fenótipo é incerta. Acreditava-se que seu surgimento fora há cerca de 100 mil anos atrás, com a origem no Homem de Neandertal. Segundo essa teoria, os ruivos teriam surgido antes que o homem tivesse migrado para a Europa. Entretanto, um estudo feito na Universidade de Edimburgo (Escócia) liderada pelo Prof. Jonathan Rees, encontrou poucas evidências de que a pele branca e o cabelo ruivo fossem realmente uma vantagem adaptativa na evolução humana fora da África.

Esse estudo foi realizado através de análises dos genes relacionados ao cabelo
ruivo, a partir do qual pôde-se verificar as mudanças das proteínas que produzem a cor do nosso cabelo. Quando o gene muda, o aminoácido na proteína formada também pode mudar, e aí surgem as variações que enxergamos nos organismos, ou seja, as madeixas avermelhadas.

Um gene é formado por uma sequência de moléculas chamadas “bases”. Elas são formadas de carbono, oxigênio e nitrogênio, e por isso, são chamadas de bases nitrogenadas. A cada três bases no DNA, temos um aminoácido (bloco formador das proteínas), e chamamos essa trinca de códon. As duas primeiras bases de um códon são cruciais para a codificação de um aminoácido, mas mudanças na terceira base nem sempre alteram o resultado final de uma proteína. Estudando as mudanças provocadas na terceira base, comparadas às mudanças provocadas pelas duas primeiras bases, a equipe do Prof. Rees descobriu quais características genéticas são resultado da seleção natural e quais são meros frutos do acaso.

Foi o que aconteceu com o gene do cabelo ruivo. Não há evidência de seleção natural sobre esta característica. A cor do cabelo, assim como o da pele, vem do pigmento melanina, podendo ser de dois tipos. Um dos tipos de melanina é a eumelanina, que pode ser marrom ou preta, e o outro tipo é a feomelanina, que pode ser vermelha ou amarela. A cor da pele e do cabelo de cada um de nós é o resultado da mistura dos dois tipos de melanina. Pessoas brancas produzem menos melanina que pessoas morenas. O cabelo preto é composto quase que unicamente de eumelanina, enquanto o cabelo ruivo possui quase 100% de feomelanina.

O gene responsável pela produção da melanina é chamado MC1R e se localiza no par cromossômico 16 (o ser humano possui 23 pares de cromossomos, que são as moléculas de DNA que herdamos de nossos pais e de nossas mães). A equipe de dermatologistas do Prof. Rees descobriu, em 1997, que todos os ruivos apresentam variantes nesta região do genoma (MC1R).

Cientistas da Universidade de Louisville, no Kentucky (EUA) comprovaram em 2002 o que os anestesistas já supunham há tempos: os ruivos são mais tolerantes a anestesia. O estudo realizado com 10 mulheres ruivas mostrou que é necessário 20% a mais de anestesia para desacordar uma ruiva, no entanto não são só as ruivas que exibem essa tolerância. Em 2004, um estudo com homens ruivos também chegou a estes resultados.

Para se ter um filho ruivo é necessário que ambos os pais tenham uma das cinco variações do gene MC1R e que essas sejam herdadas pelo seu filho. Caso só um dos pais apresente a variação, existe uma chance de seu filho ser portador do gene variante e deste ter filhos ruivos, se casado com uma portadora da variação.

Atualmente, a Escócia é a maior detentora de pessoas ruivas: calcula-se que 10 a 13% da população escocesa seja ruiva. No Brasil estima-se que os ruivos representem menos de 1% da população. Dizem que os ruivos entrarão em extinção até 2060, mais isso não passa de mais uma lenda, afinal o gene do rutilismo é recessivo e pode “passar despercebido” nas famílias, surgindo, após varias gerações de morenos e loiros na família, uma criança ruiva.

João Paulo de Morais é acadêmico do curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Viçosa, campus de Rio Paranaíba e é ruivo.

Cruzamentos cognitivos permitem que a música desperte outros sentidos além da audição

Imagine você, sentado em seu sofá, ouvindo a sua banda ou seu músico preferido e, de repente, cada batida da bateria começa a parecer azul e cada acorde da guitarra começa a ter um gosto de framboesa. Difícil de imaginar, né? Não se você faz parte de cerca de 4% da população mundial que é sinesteta – indivíduo que possui condição neurológica excepcional, em que um estímulo indutor desperta, de forma involuntária e consistente, outra sensação que não foi estimulada.

Fora dessa condição neurológica que acomete uma pequena parcela da população, é normal que haja certos cruzamentos de modos cognitivos/sensoriais. “Os cruzamentos de modos sensoriais são associações que todos fazemos, geralmente de forma automática, entre uma sensação estimulada externamente e outra sensação. Na fruição musical, essas correspondências sensoriais são constantes e automáticas e, quanto mais intensa é a fruição musical, mais fortes são esses cruzamentos de modos sensoriais” explica Guilherme Bragança, doutor em neurociências pela Universidade Federal de Minas Gerias.

Tais cruzamentos ocorrem de maneira intuitiva, sem que se perceba. Um exemplo é quando se descrevem os sentimentos provocados por uma música, e em metáforas sinestésicas como “uma canção doce” ou “a voz daquele cantor me acalma, é muito suave”. Músicos, por sua vez, podem apontar que “o som de um trompete é brilhante”, ou “som do fagote é opaco”.

Parece haver um grau latente de sinestesia em todos os indivíduos (levando o nome de weak synesthesia), e é ela que auxilia a construção de associações abstratas entre diferentes campos sensoriais. Em seu trabalho de doutorado, que focou na relação entre sinestesia, estados emocionais e estruturas musicais, Bragança percebeu que houve uma convergência muito grande entre as sensações, emoções e cores, nos trechos musicais utilizados. Músicas que despertaram tranquilidade e suavidade relacionaram-se com a cor azul claro; já músicas que despertaram alegria e fluência, tenderam ao amarelo; músicas mais tristes e com sensação de pesado e escuro relacionaram-se com vermelho e azul-marinho e músicas de tensão e poder com sensações de denso e energético, tenderam ao vermelho e cores vizinhas. “O grau de convergência nos surpreendeu” afirma Bragança, pois ele imaginava que a associação entre cores e sons seria mais particular de cada indivíduo.

A emoção musicalizada

De certa forma, toda a percepção humana é multimodal. É como se cada sentido trouxesse “pistas” diferentes para aferir e validar uma sensação. Durante a gripe, é comum “perder” o paladar. Neste caso, apenas as vias nasais estão obstruídas, mas o olfato tem influência na capacidade de sentir gostos.

Em relação à música, essas relações vão além. “Devido à forte capacidade que a música tem de evocar emoções (decorrentes das expectativas e antecipações na mente do ouvinte), ela é naturalmente associada a outras formas artísticas, como a poesia (canção), a dança, o teatro e o cinema que, sem a presença da trilha sonora, seriam irreconhecíveis”, pontua José Fornari, pesquisador do Núcleo Interdisciplinar de Comunicação Sonora da Unicamp. O pesquisador ainda afirma que a pluralidade de sentidos e sensações envolvidos na apreciação musical é um lugar comum e que envolve esferas da percepção, cognição e emoção musical.

Diferentemente da linguagem verbal, a música é baseada em informações não-semânticas, emocionais. Talvez por isso exista a atribuição de adjetivos de outros sentidos – além da audição – para descrever uma nuance sonora. “É impossível descrever um conceito verbal através da música instrumental (ou seja, sem o auxílio da letra). Porém, esta expressa muito bem intenções, sentimentos e estados de espírito, o que faz com que a união da poesia com a música, sob a forma da canção, seja tão poderosa e popular” completa Fornari.

Da música à mesa

O conhecimento da sinestesia na música tem, inclusive, aplicações práticas – como em um restaurante onde haja um clima especial, criado por meia luz, cadeiras confortáveis e música. E existem chefs de cozinha que se interessam por esse tipo de conhecimento e o aplicam, mesmo que de forma intuitiva. “O chefe italiano Massimo Bottura se inspira muito no jazz enquanto cria seus pratos, e o inglês Heston Blumenthal já colaborou com cientistas para criar pratos multissensoriais” comenta Felipe Carvalho, pesquisador da Universidade de Leuven, na Bélgica.

Carvalho desenvolve projetos de pesquisa que tentam entender como diferentes parâmetros sonoros podem se associar a parâmetros do paladar: doce, amargo, salgado, texturas, entre outros. Para tal, ele já utilizou a degustação de chocolates e cervejas, juntamente com trilhas sonoras, para entender se estes poderiam influenciar no gosto sentido pelos participantes – e encontrou uma correlação positiva, em que as músicas afetaram a percepção dos alimentos.

Um de seus projetos, chamado The sound of chocolate (O som do chocolate) desenvolveu uma nova proposta de degustação de chocolates belgas através da música. Com esse projeto, Carvalho e outros pesquisadores queriam que as pessoas se tornassem conscientes que os sentidos interagem enquanto experimentam um alimento.

No entanto, essas experiências multissensoriais ainda não são tão comuns. “Claro que, neste momento, estamos nos referindo mais às experiências exclusivas e de difícil acesso. Mas eu acredito que, quanto mais público e robusto seja o conhecimento sobre a importância dos sentidos no cotidiano, mais as pessoas vão se interessar em ter acesso a este tipo de experiências” avalia Carvalho, que ainda completa: “também acredito que o aprimoramento da tecnologia referente à realidade aumentada e virtual, permitirá repensar a forma com que nos relacionamos com os nossos sentidos”.

Texto originalmente publicado em Revista ComCiência, disponível em: http://www.comciencia.br/cruzamentos-cognitivos-permitem-que-musica-desperte-outros-sentidos-alem-da-audicao/

Maria Letícia Bonatelli é formada em ciências biológicas (Unicamp), com mestrado e doutorado em ciências (USP). É aluna do curso de jornalismo científico do Labjor e bolsista Mídia Ciência.