Hibernação e Estivação: mecanismos de sobrevivência!

Todo mundo que está lendo esse texto já deve ter ouvido falar sobre aquele “descanso” profundo que alguns animais fazem, como por exemplo os esquilos. Você sabe o nome? Sabe por que ele acontece? Ele acontece somente com animais que vivem em regiões muito frias?

Quando acontece com animais durante a época de inverno e escassez de comida, o fenômeno é chamado de “Hibernação”. Em períodos como esse, em que se alimentar na quantidade necessária é difícil, os animais caem num sono profundo que pode durar dias e dias, e até meses. Nesse tempo a temperatura corporal cai drasticamente, assim como os batimentos cardíacos, respiração e principalmente o metabolismo. O animal mantém a energia para sobrevivência através da queima de gordura acumulada no corpo, então antes de hibernar a alimentação dever ser bastante forte e rica em lipídios (células de gordura)! Alguns exemplos de animais que hibernam são morcegos, marmotas, ouriços, esquilos, entre outros.

Mas espere aí… e os ursos? Esses são ditos os mais “famosos” em casos de hibernação que você já ouviu falar, não é mesmo? Mas segundo estudos de alguns pesquisadores, essa informação não é 100% correta. Durante o período de hibernação, um dos pontos chave é a diminuição drástica da temperatura corporal, e isso não acontece com os ursos. Sua temperatura corporal se mantém relativamente alta! No caso do urso marrom, por exemplo, cai somente cerca de 4ºC (de 38ºC para 34ºC).

E quando essa pausa na atividade diária acontece em regiões de calor e seca, como por exemplo nos desertos? Aí recebe outro nome: estivação. Ela acontece quando as condições ambientais do meio se tornam excessivas em relação à altas temperaturas e baixa umidade. Geralmente nesse período os animais se enterram em buracos no solo, onde a temperatura se mantém mais amena, e lá ficam durante um tempo até que as condições climáticas exteriores sejam favoráveis à sua sobrevivência. Alguns exemplos de animais que praticam a estivação são algumas espécies de moluscos, anfíbios e répteis.

Na região da Caatinga, temos como exemplo alguns anfíbios que se enterram em buracos de quase 2m de profundidade durante o período de estivação. Nesse tempo o consumo de oxigênio do corpo diminui pela metade, o estômago desses animais fica vazio e o intestino diminui. Quando às condições do meio retornam ao normal, voltam à superfície para retomarem seus hábitos.

Esquilo em período de hibernação. Foto disponível em: https://www.estudopratico.com.br/ hibernacao/

Curioso né? Esses são alguns dos exemplos de mecanismos de sobrevivência que as espécies utilizam para driblar as alterações do meio. E você, conhece algum animal com que possui uma capacidade diferente dessas? Escreva pra nós e conte-nos um pouco sobre isso!.

Rosana de Mesquita Alves é Bióloga e Mestranda pela Universidade Federal de Viçosa.

Dormir para Lembrar!

Estudos de neurociência afirmam: tirar uma soneca após a aula pode ajudar a fixar na memória o conteúdo aprendido! Pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) fizeram a pesquisa com cerca de 580 alunos de sete escolas de Natal, RN, cujo o objetivo era avaliar o que era registrado na mente dos alunos durante uma soneca após a aula. A metodologia se baseava em testes aplicados aos alunos sobre o que havia sido ministrado em aula, isso se dava logo após sonecas que tinham 50 minutos a duas horas de duração.

Os resultados encontrados eram comparados à outro grupo de alunos, aqueles que não dormiam depois da aula. Após duas etapas de testes, os cientistas concluíram que aqueles alunos que tiraram a soneca tiveram 10% a mais de retenção de memória quando comparados aos que não haviam dormido, confirmando os benefícios do sono.

Então não se sinta culpado por tirar um cochilo durante maravilhosos minutos após a aula, vai fazer bem à você e à sua memória!

Fonte:
http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/2015/07/dormir-­para-lembrar

Por: Rosana Mesquita