Como a natureza semeia suas sementes?

Todos os organismos da natureza são encontrados em determinados locais porque eles se deslocaram até lá. Esse conceito é valido até para espécies sésseis, ou seja, que não se locomovem e vivem fixas, como as plantas. Dispersão e migração são termos utilizados para descrever deslocamentos de organismos em busca de melhores condições para a sobrevivência das espécies. A dispersão está relacionada ao distanciamento aleatório dos organismos entre si, enquanto a migração a movimentos direcionais em massa de um grande número de indivíduos de uma espécie de um local para outro.

Para se dispersarem as plantas utilizam seus diásporos, ou unidades de dispersão, que são os frutos e sementes. A dispersão dos diásporos para longe do seu local de origem é um processo fundamental no ciclo de vida das plantas, pois evita a competição entre as plantas jovens e a elevada predação próximo à planta-mãe. Além disso, se as sementes forem dispersas por uma área ampla, maior será a chance de encontrarem locais favoráveis à sua germinação e estabelecimento.

Devido aos benefícios da dispersão, as plantas desenvolveram muitas adaptações que favorecem a disseminação dos seus frutos e sementes. As características dos frutos e sementes trazem pistas sobre a forma de dispersão de uma espécie. Certas plantas espalham suas sementes sozinhas (autocoria), como é o caso da maria-sem-vergonha ou beijo, cientificamente conhecida como Impatiens walleriana, pois seu nome científico lembra a palavra “impaciente” em referência à cápsula de sementes que explode ao menor contato, espalhando as sementes nos arredores. Outras dependem de agentes dispersantes, como o vento (anemocoria); para isso as espécies produzem frutos e sementes leves e aerodinâmicas, sendo aladas ou plumosas, como é o caso do dente-de-leão. A dispersão também pode ocorrer pela água (hidrocoria), por gotas de chuva, enxurradas, ou rios e mares, por meio de diásporos flutuantes e resistentes ao excesso de umidade, como o coco-da-baía.

Os animais também realizam dispersão, que é denominada zoocoria. A zoocoria pode ocorrer externamente e de forma involuntária (epizoocoria), como é o caso dos carrapichos, que se aderem ao pelo dos animais e às nossas roupas; nesse caso os animais não se beneficiam, pois esses diásporos não são comestíveis. Por outro lado, a zoocoria pode ocorrer também via trato digestivo dos animais (endozoocoria). Nesse caso, os animais consomem os frutos e defecam as sementes inteiras e prontas para germinar; essas sementes, no entanto, devem ter um tegumento resistente para suportar a acidez do estomago e a passagem pelo trato digestivo. A endozoocoria promove uma interação mutualística entre os animais e as plantas, dessa forma, os animais recebem alimento e as plantas são semeadas por grandes distâncias. Além disso, para algumas plantas a passagem da semente no trato digestivo do animal é indispensável para sua germinação.

A frequência dos diferentes modos de dispersão varia entre as formações vegetais, com predomínio de autocoria e anemocoria em vegetações abertas, como os campos, onde o vento atua fortemente, e predomínio de zoocoria em florestas. Em algumas florestas tropicais mais de 90% das plantas apresentam frutos dispersos por animais.

As características dos diásporos determinam qual o grupo de animais vai ser atraído por estes, e assim qual será o dispersor. Peixes como o pacu e o tambaqui se alimentam de frutos que caem de árvores das beiras de rios. Alguns lagartos e tartarugas se alimentam de frutos que apresentam cheiro e coloração forte e que estão próximos ao solo ou caem quando maduros. Os frutos dispersados por mamíferos apresentam cores vivas e muitas vezes cheiros atrativos, como por exemplo, a lobeira, que é consumida e dispersa pelo lobo-guará. O lobo-guará é dependente da lobeira e sem os seus frutos ele é afetado por complicações renais causadas por vermes. Os morcegos frugívoros são os mamíferos mais importantes no processo de dispersão, diferente dos demais mamíferos, os frutos dispersos por morcegos não apresentam cores chamativas, mas possuem odor forte de mofo, rançoso ou de fermentação.

Os animais frugívoros são os jardineiros das nossas matas, pois semeiam as sementes ao longo dos seus caminhos. Dentre os frugívoros destacam-se as aves, pois elas são responsáveis pela dispersão da maioria das plantas. O estudo das aves (ornitologia) tem enfatizado a relação entre as aves frugívoras e as plantas que fornecem esses frutos. Muitas plantas atraem as aves com frutos pequenos em grandes quantidades, exibindo cores vistosas e polpas carnosas e suculentas, como a pitanga do cerrado, o murici e a erva de passarinho, esta só germina após a passagem pelo trato digestivo das aves. Dentre as aves dispersoras destacam-se o jacu, o sanhaço e o sabiá- laranjeira.

A dispersão gera consequências ecológicas grandiosas; ela mantém o equilíbrio entre as populações de plantas e animais, contribuindo para a diversidade biológica e para a contínua dinâmica da comunidade. A remoção de uma espécie de planta pode afetar muitos frugívoros de uma comunidade, que dependiam desse recurso para sua sobrevivência. Consequentemente, a eliminação dos frugívoros tem efeitos negativos no estabelecimento de novas plantas. Dessa forma, a ação da fauna frugívora garante a regeneração natural e a sobrevivência das nossas matas após alterações naturais, como a queda de uma árvore, ou antrópicas, como os desmatamentos e queimadas.

Cássio Cardoso Pereira é biólogo graduado pela Universidade Federal de Viçosa, campus de Rio Paranaíba. Rúbia Santos Fonseca é bióloga, mestre e doutora em Botânica pela UFV. Atualmente é professora temporária da UFV, campus Rio Paranaíba. Desenvolve pesquisas na área de fenologia e biologia reprodutiva de plantas nativas.

Biodiversidade: … o que é mesmo?!

Muitos já ouviram falar, mas poucos sabem realmente o que é biodiversidade. É o que confirma um estudo feito pela União para o BioComércio Ético (UEBT), a qual ouviu pessoas de 16 países, inclusive o Brasil. Os resultados demonstraram que, pelo menos em nosso país, menos da metade dos entrevistados sabem explicar o que significa o termo, uma média relativamente alta quando comparada à dos demais países participantes da pesquisa. Mas vamos lá: o que significa Biodiversidade?! Ao pé da letra seria “Diversidade da vida”, ou seja, todas as formas de vida existentes estariam incluídas no termo Biodiversidade. Diversos significados são encontrados, mas todos eles envolvem a diversidade da natureza viva. Em 1992, a Convenção da Diversidade Biológica definiu biodiversidade como a variedade de organismos vivos existentes no planeta ou em uma determinada região do globo, incluindo ecossistemas terrestres, marinhos e outros. Além disso, o termo leva em conta a variedade genética dentro das populações e espécies, tanto quanto a variedade de funções ecológicas desempenhadas pelos organismos bem como seus hábitats e ecossistemas. Esclarecer o real significado da palavra, além de contribuir para o conhecimento da população, também é importante para demonstrar a importância da frase: “Devemos todos conservar a Biodiversidade”. Diante disso, cientistas trabalham constantemente na divulgação científica acerca do tema, destacando a importância de preservar a biodiversidade mundial e as maneiras como isso pode ser feito. Compreensão e dedicação são pontos fundamentais nessa luta de preservação.

Fonte:
http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/2015/07/biodiversidadeconheco­de­algum­lugar..

Por: Rosana Mesquita

Conservação ou Preservação?

Willian Lopes Silva

Wagner M. S. Sampaio

 

Os termos Preservação e Conservação são utilizados para estabelecer a relação Homem e Natureza e proteger o meio ambiente, porém são ideologicamente distintos. Esses termos foram introduzidos por dois precursores do ambientalismo Norte Americano com o intuito de proteger o meio ambiente, o naturalista John Muir e o engenheiro florestal e político Gifford Pinchot. O primeiro nos dá o sentido de intocabilidade, onde o ambiente precisa ser preservado no seu estado natural sem nenhuma intervenção humana por ser importante por si mesmo. Já o segundo nos trouxe a ideia da conservação em longo prazo, onde os recursos naturais devem ser usados com parcimônia para não serem esgotados pelas necessidades humanas. As ideias de Muir e Pinchot são muito importantes para proteção da natureza, mas nos trazem um resultado muito diferente quando colocadas em prática e se usadas erroneamente podem trazer prejuízos socioambientais incalculáveis. O Preservacionismo de Muir foi um movimento romântico e espiritual, acreditava que Deus criou o universo para o gozo de todos os seres vivos, e não apenas para os seres humanos. Já o conservacionismo de Pinchot foi um movimento progressista e científico. Fato tão verdadeiro que, por exemplo, a legislação Brasileira e muitos pesquisadores adotam uma integração entre esses termos.  Segundo o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis, para garantir a proteção da diversidade biológica de um país é preciso estabelecer um sistema de áreas protegidas. No Brasil, as áreas protegidas incluem as áreas de proteção permanente, as reservas legais, as reservas indígenas e as unidades de conservação. As unidades de conservação (UC) formam uma categoria de área protegida mais específica e efetiva que englobam bem os conceitos conservacionistas e preservacionistas. No nosso país as UC não possuem apenas função de proteger a diversidade biológica e são justamente estas outras funções que diferenciam as UC. Mas, no geral, as UC podem ser separadas em dois grandes grupos. O primeiro engloba Unidades de Conservação de Proteção Integral que são aquelas onde efetua-se a preservação dos ecossistemas em estado natural com um mínimo de alterações, sendo admitido apenas o uso indireto dos seus recursos naturais). O segundo inclui as UC de Uso Sustentável (são aquelas onde haverá conservação dos atributos naturais, admitida a exploração de parte dos recursos disponíveis em regime de manejo sustentável). As ferramentas de proteção criadas pela legislação têm a necessidade de embasar suas aplicações em informações biológicas estratégicas, que muitas vezes são escassas ou inexistentes, levando à diminuição da eficiência dessas ferramentas. Os Estudos Ambientais muitas vezes ficam “escondidos” nos órgãos ambientais e nos contratos de confidencialidade entre consultores e empreendores, porém estes estudos precisam cumprir sua função social e científica e isso só será possível quando começarem a ser divulgados. Vê-se, pois, que só assim conseguiremos alcançar nosso objetivo de proteger o meio ambiente para de ele usufruir de forma sustentável ou simplesmente para sua manutenção. A proteção dos recursos naturais é direito público e subjetivo das futuras gerações. Podemos pensar nisso como nos diz a “Carta da Terra”: “A humanidade é parte de um vasto universo em evolução e a proteção da vitalidade, diversidade e beleza da Terra é um dever sagrado de todos e juntos”.

 


 

Willian Lopes Silva é acadêmico do curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Viçosa, campus de Rio Paranaíba.

Wagner M. S. Sampaio é biólogo e mestre em Biologia Animal pela Universidade Federal de Viçosa, e atua na área de Ictiologia.

Como citar esse Documento:

Silva, W.L. ; Sampaio, W.M.S. (2013). Conservação ou Preservação? Folha biológica 4 (1):4