Visitas ilustres!

Todos os anos, no início da primavera, vemos na cidade de Ribeirão Preto o aparecimento de pequenas visitantes aladas. No começo surgem algumas tímidas, quietas…mas depois seu número aumenta, começa a cantoria (ou gritaria para algumas pessoas!), grandes revoadas acontecem, depois mais espécies aparecem… e quando começa os primeiros ventos frios do outono, elas se vão… Estas visitantes são as aves migratórias!

Algumas destas aves vêm de muito longe, de outros países, atravessando grandes barreiras geográficas… Outras, porém, vêm de perto… de cidades e estados vizinhos…Muitas não completam sua jornada, perecendo no caminho. As que conseguem chegar estão fugindo do frio e da falta de alimentos em sua terra natal. Algumas espécies aproveitam esta estada na nossa região para nidificar. Nidificar significa fazer ninhos, reproduzir, cuidar dos filhotes.

As aves migratórias mais conhecidas, vistas aqui na cidade, são as andorinhas. Algumas espécies vêm dos Estados Unidos, do Canadá, viajando mais de oito mil km para nos alegrar com sua ilustre presença. Outras vêm da Patagônia, sul da Argentina, procurando um lugar mais quente para passar o tempo.

Andorinhas realizam migração de outros países para o Brasil. Foto: goo.gl/iv12Tf

Existem ainda algumas espécies de andorinhas que não deixam Ribeirão Preto nunca…

Se formos um pouco mais atentos e passarmos a contemplar o céu e a natureza com mais atenção, podemos perceber outras aves que só aparecem na nossa região nos meses mais quentes do ano. Temos a tesourinha, um pássaro com a cauda muito longa e bifurcada, que vem em busca de pequenos insetos dos quais se alimentam e para nidificar nas áreas arborizadas de Ribeirão Preto; o falcão-peregrino, que adora comer as pombinhas da praça XV (para a alegria do padre Francisco!!); o chopim, um pássaro de cor negra, que procura o ninho de outras aves para colocar seus ovos… Temos também o gavião-sovi, o bem-te-vi-rajado, o pássaro-verão, curiangos, saís-azuis, saíras-amarelas… além de muitas outras, mais esquivas e difíceis de observar, que preferem áreas com matas mais densas e sem pessoas por perto…

Todas estas aves migratórias nos encantam pela sua beleza, persistência e disposição em voltar todos os anos…. Sejam bem-vindas!

Ana Carla Medeiros Morato de Aquino, Bióloga, Ornitóloga, Especialista em Laboratório do Departamento de Biologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto – USP